Não morre a alma do vale

Misteriosa se chama

Porta do céu e da terra

É aquela que se aclama

Sem esforço ela provê

Contínua e infinitamente

É raiz de toda vida

Mas antes sua semente