O Tao parece vazio

Mas não se esgota jamais

Quão profundo e infinito

É mãe de todos mortais

Cega a sua agudez

Da corrente quebra o nó

Diminui seu próprio brilho

E se iguala ao próprio pó

Oh quão calmo Ele é

Eu não sei quem são os seus

Mas o grande Tao parece

Ser mais velho do que Deus.