Nesse mundo não há nada

Do que a água mais suave

No entanto ataca o duro

E sem o menor entrave

O macio vence o duro

O fraco vence o valente

Não há quem não saiba disso

Mas não praticam na mente

Aquele que é culpado

Dos pecados do país

Pode ser o sacerdote

Do altar e da matriz

Dos infortúnios da pátria

Aquele que é culpado

É o imperador supremo

Aquele que é exaltado

As palavras verdadeiras

Isso eu digo sem temor

São paradoxais

Por isso que tem valor.